ICMBio promove intercâmbio de agroecologia em comunidades amapaenses

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), por meio da Floresta Nacional do Amapá, realizou no mês de março, o Intercâmbio de Agroecologia nas comunidades do Curicaca (Itaubal-AP) e no distrito de Fazendinha (Macapá-AP), beneficiando diretamente 19 agricultores familiares residentes nas comunidades do Alto Rio Araguari (Porto Grande-AP) e Projeto de Assentamento Serra do Navio (Serra do Navio -AP).

 

Fotos: Acervo FAA

A ação faz parte do Projeto Florestas Alimentando o Ar (FAA) e tem como objetivo contribuir com a gestão das áreas protegidas do Estado do Amapá, por meio do fortalecimento de políticas públicas que promovam o uso sustentável do capital natural, através da Assistência Técnica e Extensão Florestal (ATEF) às comunidades que vivem dentro e no entorno de seus limites, subsidiando alternativas econômicas sustentáveis em consonância à política pública ambiental.

O engenheiro agrônomo e extensionista agropecuário do RURAP falou sobre a contribuição do Projeto. “Como etapa do Plano de Trabalho Governança Florestal do Estado do Amapá e do Projeto Florestas Alimentando o Ar, o Intercâmbio de Agroecologia veio contribuir no aprendizado e na troca de experiências entre agricultores do Estado, em relação as práticas de produção agroecológica. Além disso, os agricultores, das comunidades Alto Rio Araguari e P.A. Serra do Navio, puderam vivenciar diferentes formas de organização social e comercialização da produção, a partir das experiências dos agricultores das comunidades visitados, Curicaca e Fazendinha. Dessa forma, o legado deste evento foi evidenciar formas de produção ecologicamente sustentáveis, que proporcionam melhorias na qualidade de vida dos agricultores e da sociedade que consomem alimentos mais saudáveis”

 

Fotos: Acervo FAA

 

Essa capacitação prática e participativa oportunizou visitas em cinco áreas de unidades familiares (sendo 04 em Curicaca e 01 em Fazendinha), e abordou os seguintes temas: vivência das técnicas agroecológicas de implementação de compostagem orgânica; produção de biofertilizantes e uso de adubação verde; socialização de experiências em gestão e organização social; práticas de recuperação de solos; visão empreendedora e mercado institucional; parceria com iniciativa privada; diversificação de produção e de práticas agroecológicas; e a interação interinstitucional do Projeto FAA para o desenvolvimento da atividade.

O projeto contou com uma rede de parceiros, tais como: Instituto Estadual de Florestas do Amapá (IEF); Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá (RURAP); Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA); Conservação Internacional Brasil (CI Brasil); Instituto de Pesquisa e Formação Indígena – Iepé; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA); Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA); Cooperativa Agroextrativista de Produtores de Açaí da Serra do Tumucumaque (COOAPAST); Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Serra do Navio (STTR); Associação Agroextrativista dos Agricultores e Moradores do Assentamento de Serra do Navio – Renascer; Associação dos Agroextrativistas Ribeirinhos do Rio Araguari Bom Sucesso e a Empresa Japonesa Daikin Industries Ltda.

 

Fotos: Acervo FAA


 

/As mais lidas

Projetos Comerciais
Seguro Auto Bezlim
Anúncio Conexões
Sustentare Institucional
Cereja Marketing

FIQUE
 POR DENTRO

Assine e receba as novidades do Amapá por e-mail toda semana. 
Simples, rápido e gratuito.

/Gastronomia

Veja mais

/Cinema

Veja mais