Marcelo Sá, um apaixonado pelo Amapá

Batemos um papo com um dos principais guias de turismo do Amapá, Marcelo Sá. Confira!


 

ANM: Há quanto tempo você trabalha com turismo? Como essa vontade se manifestou?

Marcelo: Eu trabalho com turismo desde quando me formei, em 2004, foi meu primeiro trabalho como guia levando uma turma de mulheres estudantes de hotelaria e hospitalidade até a Ilha de Santana. Me interessei pelo turismo porque sempre andava no mato aqui. Nasci em Macapá e sempre transitava onde é o Muca, Buritizal, Jardim Marco Zero, toda aquela região. Quando eu ficava chateado ia olhar os bichos na beira do lago, aquela região do Buritizal era cheia de lagos, por isso que é Buritizal.

 

 

Uma publicação compartilhada por Marcelo Sá Gomes (@marcelosagomes) em


ANM: Os turistas que procuram você são em maioria de algum local específico ou é diverso?

Marcelo: É muito diverso, ainda é muito diverso. Americanos, holandeses, suíços, de vários países e do sul, nordeste, centro-oeste do país também. Meu último trabalho em dezembro foi com um grupo do Rio de Janeiro e agora em janeiro atendi do Paraná, vai variando, duas, quatro, seis, dez pessoas e individualmente também.

ANM: Existe alguma época do ano ideal para os passeios?

Marcelo: Pra mim não existe esse negócio de chuva ou sol. Depende do turista. Vamos de acordo com o turista.

#Turismo de Aventura # Amapá # Laranjal do Jari

Uma publicação compartilhada por Marcelo Sá Gomes (@marcelosagomes) em

 

ANM: Quais são os principais pontos nos passeios? Quais as rotas mais desejadas?

Marcelo: Eles querem ver a floresta amazônica, o Rio Amazonas, ver os botos, fauna e flora. Levamos bastante na Apa da Fazendinha, na Apa do Curiaú e na Ilha de Santana. Bem pouco city tour, preferem o interior. Parque do Tumucumaque, Cabo Orange, unidades de conservação.

 

ANM: Você já recebeu ou recebe moradores locais para passeios?

Marcelo: Sim, inclusive domingo faremos um passeio na Apa da Fazendinha. A procura é boa mas falta tempo pras pessoas fazerem isso.

 

ANM: No trabalho você deve passar por um mesmo local diversas vezes, mesmo assim tem algum que sempre o surpreende?

Marcelo: Todos os lugares vão mudar porque cada período do ano vai ter algo diferente lá. A fauna vai estar diferente, a floresta vai estar diferente, tudo vai mudar, depende muito da época do ano. Vimos uma cobra gigantesca com o último grupo em visitação ao Tumucumaque, tinha 7 metros ou mais.

 

ANM: Mas todo mundo vai preparado para eventuais acidentes, certo?

Marcelo: Sim, vou com os guarda-parques que são os guias locais, regionais, com autorização das unidades de conservação, do ICMBio, quando é unidade de conservação da SEMA vamos com autorização deles também e claro, quando tem comunidade, autorização das comunidades que até acompanham e fornecem serviços de embarcação, alimentação, guiamento dentro das trilhas, trabalho que eles podem fazer também. O guia de turismo circula em todo o Estado, eu trabalho numa agência, a Guia Norte Turismo e consigo fazer o guiamento e agenciamento e trabalho pra outras agências também.

 

ANM: Então você atua dentro e fora da nossa capital com o turismo?

Marcelo: Exatamente. Eu visitei 13 municípios do estado esse ano (2017), fora que às vezes vamos no Marajó, nas ilhas do Afuá e também trânsito Dentro do Parque Nacional Amazônico da Guiana Francesa, desde a foz do rio Oiapoque, San Jorge e Camopi. Vamos com todas as autorizações, dos parques e com os vistos para entrar na Guiana Francesa. Transito lá desde 2011 como guia de turismo divulgando os roteiros do Amapá e, ao mesmo tempo, hotéis e restaurantes.

 

 

#Guiana Francesa # Turismo na fronteira #Cultura e Natureza

Uma publicação compartilhada por Marcelo Sá Gomes (@marcelosagomes) em


ANM: E projetos em escolas e outras instituições, vocês fazem parte de algum?

Marcelo: Vários projetos. Eu tinha um projeto no parque ecológico de Calçoene, o Mais Cultura na Escola. Eu fazia educação patrimonial e a valorização da cultura local, em torno da escola e um dia visitamos uns arqueólogos na época no Parque Arqueológico de Calçoene, que chamam de Stonehenge da Amazônia. E também direto na Apa da Fazendinha com educação ambiental. E no tempo do equinócio, levamos crianças no marco zero do equador. São várias iniciativas. Sempre estamos fazendo, por isso fizemos um curso de turismo pedagógico, pra coordenar a visitação de instituições que precisam ter um turismólogo, um guia, pois a contratação sem as competências técnicas exigidas é considerada exercício ilegal da profissão.

ANM: Sobre situações inusitadas durante o trabalho, alguma te marcou?

Marcelo: Essa de visualizar a cobra gigantesca no Tumucumaque e, anos atrás, quando levei duas moças para visitar o Igarapé da Fortaleza para ver os botos, o filhote e a mãe pularam na frente da lancha, então isso foi interessante. Há também muita crendice mas, às vezes, não devemos duvidar. Já aconteceu de muita gente por aí ser salva por golfinhos e botos. E as pessoas quando desejam ver, conseguem visualizar legal.

ANM: Pra você, qual o potencial turístico do estado?

Marcelo: Todo ele, tudo é potencial. Ninguém aproveita o Rio Amazonas, ninguém aproveita os pontos turísticos como deveriam aproveitar.

Todo mundo deveria pagar se fosse entrar num ponto turístico, pagar para entrar. Não paga no cinema? Então. Tem que pagar por conta da manutenção e as pessoas não valorizam isso e ficam quebrando, destruindo o patrimônio público, arqueológico e histórico do lugar.

 

ANM: De que forma esse turismo pode ser mais explorado?

Marcelo: Agindo com vontade política e com os técnicos, universidades. Porque as universidades tem muita coisa pra oferecer e ajudar as comunidades a desenvolver. Eu sou estudante de pesca em Santana e quero levar pra lá, pra gente ajudar, um acordo de pesca do rio Araguari na Floresta Nacional do Amapá (Flona) e Floresta Estadual do Amapá (Flota), entre Porto Grande e Ferreira Gomes, é lindíssimo, tenho um roteiro pra lá também.

O antigo matadouro de Fazendinha, estamos com a ideia de montar um museu do rio e do mar, fazer um museu vivo, com pesca de camarão, de peixinhos, com embarcações antigas, réplicas, artesanato, mel, passeios turísticos lá. Futuramente no Igarapé da Fortaleza vai ter um porto e um CAT (Centro de Atendimento ao Turista), um projeto do Igarapé Sustentável.

 

Como as pessoas podem contratar o seu trabalho como guia turístico?

Marcelo: Então, eu uso atendimento pelo telefone, faço minhas divulgações nos salões de turismo da Guiana, vou em São Paulo também fazer divulgação, Belém. Eu atendo várias pessoas que vem do estado e também que vem de outros países e do resto do Brasil, e as pessoas que eu atendo também indicam meu trabalho pra outras pessoas que querem visitar aqui. Também é o boca a boca, o Facebook e também atendo pelo Whatsapp (96) 98136-8882 e e-mail.


 

 

/As mais lidas

Projetos Comerciais
Seguro Auto Bezlim
Cereja Marketing
Sustentare Institucional
Anúncio Conexões

FIQUE
 POR DENTRO

Assine e receba as novidades do Amapá por e-mail toda semana. 
Simples, rápido e gratuito.

/Gastronomia

Veja mais

/Cinema

Veja mais